domingo, 3 de julho de 2011

ORGASMO CLITORIANO X ORGASMO VAGINAL

I. Orgasmo feminino: um grande mistério 

Nas teorias que elaborou sobre a sexualidade feminina, Freud acreditava ser o clitóris o vestígio de um pênis inferior. Na infância, seria natural o clitóris ser descoberto primeiro como órgão do prazer feminino por ser mais perceptível. Mas, no seu desenvolvimento para a vida adulta, a menina deveria transferir seu interesse pelo clitóris para a vagina que, por ser um órgão receptor, lhe proporcionaria alcançar a sexualidade madura. Para ele, a atitude feminina normal que a mulher desenvolve para compensar a inveja do pênis é de passividade, submissão e dependência. 

Karen Horney, a partir de 1924, desafiou as opiniões de Freud, admitindo a influência da cultura que obrigava as mulheres a se adaptarem aos desejos dos homens e a encararem essa adaptação como um reflexo de sua verdadeira natureza, e recusando a aceitar a anatomia como destino. Ela considerava ser a capacidade da mulher para a maternidade uma prova de sua superioridade fisiológica - o que era invejado pelos homens - e também como evidência de que a vagina, assim como o clitóris, representa um papel na organização genital infantil das mulheres. 

II. Pesquisas sobre a sexualidade chocam público americano 

A partir da década de 50, o biólogo Alfred Kinsey estudou os hábitos sexuais em nossa cultura, usando métodos quantitativos, e a teoria da transferência clitoriano-vaginal de Freud começou a ser oficialmente desafiada. Kinsey reuniu sete mil de aproximadamente dezessete mil casos ou observações. Numa palestra na Academia de Medicina de Nova York, em 1955, revelou a uma grande platéia atônita de ilustres médicos a ampla variedade de comportamentos sexuais masculinos e femininos, como a masturbação, o homossexualismo, o coito anal e especialmente as relações extraconjugais, praticados em muito maior número do que a sociedade desejava admitir publicamente. 

Como Freud e todos os outros grandes pioneiros, Kinsey cometeu alguns erros. Um deles, que afeta o nosso dilema atual (orgasmo clitoriano versus vaginal), nasceu do seu desejo de ser tão científico quanto possível. Numa pesquisa especial do Instituto Kinsey, tentaram determinar quais as áreas dos órgãos genitais femininos mais sensíveis ao estímulo sexual. Três ginecologistas homens e duas mulheres testaram mais de oitocentas voluntárias, tocando dezesseis pontos, inclusive o clitóris, os grandes e pequenos lábios, a mucosa vaginal e o colo do útero. 

Desejando ser impessoais e científicos, os experimentadores não quiseram tocar diretamente as pessoas pesquisadas. Foi usado então um dispositivo semelhante a uma ponte em Q. Os pesquisadores de Kinsey perceberam que as áreas sensíveis da vagina respondem à pressão forte, mas não ao toque suave, e assim concluíram que o clitóris é sensível e a vagina não. 

III. O ato sexual é observado em laboratório 

Masters e Johnson, encorajados pelo progresso científico do trabalho de Kinsey, decidiram observar, pela primeira vez, o sexo em laboratório. Devido ao erro de Kinsey, eles admitiram que a capacidade da masturbação até atingir o orgasmo pelo estímulo do clitóris era o ponto crucial da resposta sexual feminina normal. "Agora sabemos que eles se esqueceram, ou deixaram passar, as mulheres que funcionam de modo diferente.", disseram eles. Passaram a defender, então, que todos os orgasmos femininos envolvem o clitóris e são fisiologicamente indistinguíveis. Para eles, todos os orgasmos da mulher envolvem o contato com outras partes da abertura da vagina, provocando uma fricção entre o clitóris e o seu próprio capuz. A mesma fricção que ocorre durante a masturbação pode ocorrer durante o coito. 

IV. Orgasmo clitoriano: imaturo ou o único possível? 

Para Freud o orgasmo clitoriano era imaturo, para Masters e Johnson, o único orgasmo possível. Em 1977, Alice e Harold Ladas decidiram elaborar e enviar um questionário anônimo para 198 mulheres analistas bioenergéticas, com o objetivo de discutir as diferenças teóricas que envolviam a importância do clitóris. Acreditavam que assim elas estariam mais livres para responder, já que manter interesse pelo clitóris, para elas, era ser imaturo. 

A grande conclusão dessa pesquisa foi desafiar a teoria freudiana da transferência clitoriano-vaginal. De acordo com o que responderam, as mulheres não prefeririam abandonar o clitóris em favor da vagina, mas, pelo contrário, adicionar a sensibilidade vaginal ao seu desfrute do estímulo clitoriano! 

V. Todas as formas de orgasmo valem a pena 

Em 1980, os resultados desse estudo foram apresentados por Alice Ladas no congresso nacional da Sociedade para o Estudo Científico do Sexo, onde demonstrou que os orgasmos não implicam necessariamente o clitóris e também que o orgasmo clitoriano não é imaturo. No mesmo congresso, ela tomou conhecimento pela primeira vez do trabalho de John Perry e Beverly Whipple sobre o ponto G e a ejaculação feminina. 

É de admirar que 20 anos depois alguns autores ainda afirmem que todo orgasmo feminino tem que passar pelo clitóris. Dizem que sempre que a mulher tem orgasmo durante a penetração é porque o clitóris foi estimulado de alguma forma. Mas isso não é verdade, é o tipo de afirmação que prejudica e limita o prazer das mulheres. 

A mulher pode ter orgasmo sem haver penetração. Quanto a isso ninguém duvida. Geralmente é assim quando ela se masturba. No aparelho genital externo o orgasmo pode ocorrer em várias partes, principalmente no clitóris e nos pequenos lábios, que são áreas com mais terminações nervosas. Com a penetração do pênis, a mulher pode ter orgasmo de duas formas: contraindo os músculos da vagina e se o ponto G é pressionado e estimulado adequadamente. Isso não impede, entretanto, que, com o movimento do pênis dentro da vagina, o clitóris também seja estimulado. É o que se chama de orgasmo combinado. 

VI. As melhores posições para o orgasmo vaginal 

A posição do homem e da mulher durante o ato sexual tem relação com o estímulo do ponto G e a cooperação entre os parceiros é fundamental. Gräfenberg, o médico que descreveu esse ponto, afirma que o ângulo que o pênis forma com o corpo tem um significado importante e deve ser levado em conta. 

Cada vez mais mulheres conhecem as diferentes formas de prazer sexual. Uma mulher de 25 anos contou sua experiência: "Com meu ex-namorado acontecia uma coisa que não acontece com os outros parceiros. Quando ficávamos um de frente para o outro, seu pênis alcançava aquele ponto dentro da minha vagina que me dava um prazer louco. Tinha muitos orgasmos seguidos e às vezes até ejaculava. Acho que era a maneira pela qual o pênis dele ficava ereto, encostado de encontro à sua barriga." 

Mas esse não é o único jeito. Para alguns casais, a mulher estando por cima é a melhor posição para estimular a área do ponto G. Neste caso, um pênis de menor tamanho pode até ser mais eficiente do que um maior. Muitas mulheres consideram o orgasmo vaginal qualitativamente superior ao orgasmo clitoriano. Elas declaram que é melhor porque envolve o corpo inteiro, diferente do orgasmo clitoriano, que pode ser mais agudo, talvez mais forte, mas a sensação se situa apenas na área genital. 

Entretanto, isso não significa em absoluto que o orgasmo clitoriano não seja também prazeroso. O problema é que há mulheres que se sentem diminuídas, como se fossem menos mulheres, por não conseguir orgasmos vaginais. Isso é um absurdo. Com toda a repressão da sexualidade feminina, seria estranho se o orgasmo da mulher fosse algo simples. 

Nenhuma mulher é obrigada a perseguir o orgasmo vaginal, transformando sua vida sexual numa fonte de ansiedade e sofrimento. Contudo, o sexo é um aprendizado. É instintivo e natural apenas para a procriação, mas para o prazer todos temos muito que aprender. Usufruindo, na troca com o outro, o máximo que o sexo pode nos proporcionar, vamos nos transformando e a vida vai se tornando muito mais gostosa. 

Fonte retirada do livro: A cama na varanda, Regina Navarro Lins, Editora Rocco
Olá meus queridos...tudo bem com vcs????
Eu já fiz várias postagens aqui sobre orgamos...e suas diferenças...mas uma coisa é fato...mulher que não se masturba tem mais dificuldade de ter um orgasmo de ponto G (vaginal)...meninas...é preciso conhecer a PODEROSA que vcs tem...existem mulheres que nunca viram a cara da bichinha...fala sério...pegue um espelho e de um oi para sua PODEROSA...se toque...conheça seu clitóris...e somente assim...ser tocando...massageando seu clitóris...conhecendo o "assoalho pélvico" é que vc vai descobrir que tem um vulcão pronto para entrar em erupção... Então...simbora conhecer seu corpo... Estou em débito essa semana com muitos e-mails...mas hj vou passar o dia estudando sobre o Climatério e Orgasmo Vaginal...e respondo todos os e-mail....Quero pedir desculpas em especial para minha querida Florzinha...amada eu li seus dois e-mails...mas essa semana foi bem atribulada para sua amiga aqui...hj estarei te dando retorno...
Tenham um maravilhoso domingo...aqui em Ctba...chove sem parar...e está muito frio...perfeito para quem vai passar o dia estudando e digitando trabalhos...Bjs carinhosos...Mar...

19 comentários:

  1. Já senti os dois.. é tudo de bom!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Orgasmos femininos são um presente, seja lá como for. Fico pensando e cheia de dó daquelas que não conseguem ter este presente.

    Orgasmos femininos, me parece, será sempre um assunto vasto e polêmico e quando a gente lê uma expert no assunto a gente sempre aprende mais um pouco.

    Obrigada, loiríssima e doce amiga!

    ResponderExcluir
  3. querida orgasmo feminino...
    é um tabu entre algumas mulheres ainda,,

    eu nao admito transar e não sentir pelo menos uns 3 ou mais orgasmos,,rss

    e olha que eu adoro quando gozo de jorrar,,

    é tudo de bom,,

    tenho algumas amigas que dizem nunca sentir orgasmo,,
    transam com seus maridos e pronto,,eles gozam e tudo se acaba ali,,

    fico pensando que será como pode uma mulher aceitar que isso é normal,,dar prazer e não receber??

    pra não tem nada de normal..

    gosto de sexo completo,,,

    com muito tesão,,excitação e orgasmo...

    multiplos..triplos..ou mais,,,rsss

    bjocas,,,

    ana casada

    ResponderExcluir
  4. Eu que já tive a experiência de experimentar todas estas formas do orgasmo feminino, reparei o seguinte.

    O orgasmo clitoriano alcançado muitas vezes na preliminar, também pode ser alcançado na penetração variante a posição que está sendo aplicada.

    O orgamos vaginal, se deu justamente da mesma forma que a relatante. O pau bem fundo na vagina, ou até esbarrando na barriga pelo lado de dentro, ou encostando fundo na boca do útero, ou esbarrando o ponto G por dentro.

    E o Anal, bom, o Anal foi um caso a parte, foi um escandalo de bom. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Mas não vem ao assunto do tópico que só trata do orgasmo vaginal e clitoriano.

    Eu diria que gosto muito do orgasmo vaginal, pois eu gosto de estar pertinho da mulher no momento em que ela geme bem no meu ouvidinho, e no orgasmo clitoriano, as vezes causa uma sensibilidade muito forte no clitóris, chegando a causar choques na mulher e ficar dolorido. Tem de ser executado com mais leveza.

    Agora, quanto mais eu leio sobre estes descobridores do prazer, mais eu vejo que Freud foi o pioneiro nesse campo de pesquisa, mais que todas as suas teorias acabam se refutando a medida que o machismo vem caíndo por terra. Nunca desmereceria o trabalho deste grande homem, mas é fato que quanto mais atual as pesquisas, mais em evidência os pesquisadores mais novatos, e se não tomarmos cuidado vamos acabar por taxar FREUD de enganador, o que eu não concordo.

    Muito boa essa aula Prof. Bem elucidativa.

    Beijos do Conde.

    ResponderExcluir
  5. Obrigada amada...por este estudo compartilhado...
    Lendo isso agora, começo a lembrar que quando estou por cima, eu tenho um orgasmo diferente, que atinge o corpo todo mesmo, mas não é tão intenso como no sexo oral. Geralmente quando eu tenho orgasmo vaginal eu não fico satisfeita, eu quero mais..haha..
    Mas realmente, não importa como acontece, o importante é gozar. kkk
    Muito bom este post..
    Valeu!
    Beijos carinhosos,

    Myah

    ResponderExcluir
  6. Mar(vada) muié que me atrapaia com tanta cultura!!!
    Adoroooooooooooo esse espaço! Por mais que achemos que sabemos tudo, sempre há algo pra se aprender, não é? Muito bom o post, amiga! Mto bom mesmo!
    Beijos e tem selinho pra vc lá em casa!!!

    ResponderExcluir
  7. Muito boa essa materia amada!
    Ca pra nós, o importante é gozar, né? rs
    Boa seana minha linda!

    ResponderExcluir
  8. Passando pra deixar um beijo orgástico pra ti!!!

    ResponderExcluir
  9. Q deliciaaaa, q loukuuuuura, uma maravilha andar por aqui, o tio delira, o tio viaja, isso aki é muiiiiito showwww, merece bjos, bjos e bjosssss

    ResponderExcluir
  10. ººº
    Precisando urgentemente de uma professora ... rs


    Beijosss!!!

    ResponderExcluir
  11. contigo.. é sempre a aprender.. puxa.

    mt bom!

    ResponderExcluir
  12. Querida parabéns pelo post, acho um tema ainda super importante de ser abordado, é realmente uma triste constatação, saber que tantas mulheres ainda não "se descobriram", principalmente pela falta da masturbação, adooorei!!! Um ótimo fim de semana pra vc bjs bjs bjs

    ResponderExcluir
  13. Passando pra desejar uma semana deliciosa, minha linda!!!

    ResponderExcluir
  14. Amada linda! Ótima semana pra vc, amiga!
    Te amooo!

    ResponderExcluir
  15. de uma forma ou de outra, é sempre um prazer, rs

    ResponderExcluir
  16. Esse livro da Navarro é muito bom mesmo. Já li algumas vezes e aprendo muito com ele, assim como aprendo com seus belos post's.

    Tenha uma semana encantada de amor, paixão e sedução!

    Beijo enorme!

    Saudades, Minha Loira Linda!!!!

    ResponderExcluir
  17. esqueci de mencionar que nos comentários do Conde - seu aluno número 1 - também aprendo muito. Ele traz a prática em toda sua plenitude...hehehe... Esse Conde....ai, ai, ai....

    ResponderExcluir
  18. Amada, está tudo bem? Vc sumiu!
    Saudade!

    ResponderExcluir

Compartilhe desejos...

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails